Tantra

Conheça os segredos do sexo tântrico

O Tantrismo, de que actualmente tanto se fala, não é somente mais um género de filosofia que tenha surgido há pouco tempo. Uma combinação de ioga, elucubração, budismo, caracteriza o tão badalado Volúpia Tântrico.
Quem julga que depois de esse texto vai fazer volúpia tântrico de um dia para o outro, engana-se!

O Tantrismo

Primeiro visto que o Tantrismo é uma arte, uma filosofia de vida, que não pode ser adoptada de um hora para o outro e, em seguida, visto que o volúpia tântrico não é tão simples como possa julgar. Requer tempo, experiência e competências!

Oriundo na Índia Medieval, o Tantrismo montaria a filosofias tão antigas como o Budismo. Observado por meio do século IV, o Tantrismo é um educação que possui apresentando a ser passado de geração em geração, por via oral, do artista para o seu escolar.

Quer dizer, pode ser que não seja por casualmente que ‘Tantra’ significa exactamente conservação, hereditariedade e progresso constante.

A força é a palavra símbolo desta filosofia de vida. É preciso estimular a força, elevá-la o mais grande possível, até atingir o seu luz máximo, e em seguida exercitar a dominá-la.
Dessa forma, o Tantrismo eleva os impulsos e os desejos sexuais ao seu mais grande nível, aprendendo a geri-los e a dominá-los à desejo do cidadão, ainda que de modo algum sejam reprimidos, à excepção da ejaculação.

O Sexotântrico

Aqui, no volúpia tântrico, a força é materializada na mulher. Os corpos são puros, aproximadamente sagrados, idolatrados em sua essência e utilidades.

Para além do prazer, o Tantrismo argumenta a casamento sexual do homem e da mulher, em que a mulher representa Shakti, e o homem Shiva. Não se trata somente da casamento de duas corpos que se fundem no acto sexual, porém similarmente a liga entre as duas forças do mundo: o homem e a mulher num intuito espiritual e sexual.

o%20que%20%C3%A9%20massagem%20tantra.jpg

É esta ligamento dos corpos que os fiéis do volúpia tântrico apelidam como divina e única, o verdadeiro espelho da obra e procriação de tudo o que nos rodeia. Nos 2 corpos que se tornam um está de fato o surgimento do universo, e a cada hora que os corpos se fundem celebra-se mais um hora de obra humana.

A Meditação Tântrica

Na especulação tântrica a sincera valia da liga dos corpos está centrada na força. Esta força está em todo o nosso corpo, fluindo por todos os locais energéticos que possuímos.
A cogote, os órgãos genitais a coluna, a gerência e o fole são os centro energéticos do corpo ou, em dialeto mais correcta, os chakras, pontos concentrados de força. É contribuindo a avançar melhor também essa força e a recebê-la de modo correto que os praticantes de volúpia tântrico se centram.

Porém, apenas é possível uma melhor fluxo da força a partir de treinos de elucubração, respiração e concentração, que os levam a atingir um luz sexual máximo e resistente. Apenas dessa maneira é possível manobrar e moderar essas energias!

A mulher é quem rege as regras para que os corpos se fundam. O homem terá de lhe permitir prazer, sem ejacular, concentrando-se o máximo possível no acto.

Controlando-se até à cansaço, o homem deverá conseguir reforçar a vontade à sua companheira e esta ajudá-lo a ele a conter-se. Indubitavelmente, é preciso uma grande concentração de ambas as partes, para que a liga dos corpos dure uma momento, tempo médio dos praticantes de volúpia tântrico, ainda que o tempo tenha a analisar com uma discórdia de execução uma vez que há mesmo quem consiga ficar horas com o volúpia tântrico.

Os orgasmos são capazes de ficar 15 minutos, e a parceira encontra-se constantemente por cima ou à frente, uma vez que é ela que controla constantemente a situação.
Várias das posições são qualidades do reino assombroso e, dessa forma, várias das posições do volúpia tântrico remontam constantemente para a contaminação de animais nos nomes das mesmas.

As técnicas de respiração, postura, concentração são indispensáveis para a execução do volúpia tântrico, mas seria improvável ter o potencialidade de imobilidade que os seus praticantes contem. Além disso, os músculos precisam ser controlados.

A mulher precisa contrair os seus músculos genitais ao longo 5 segundos e em seguida descontrair. Dessa maneira, a mulher pode ‘aprisionar’ o volúpia masculino e em seguida libertá-lo um pouco mais, constantemente que ela supervisionar. A correlação sexual é dominada por ela, porém constantemente com o óbolo do homem.

A prática de volúpia tântrico não é para uma ‘ noite de engate’. O Tantrismo implica um entendimento prévio da indivíduo, das suas capacidades, e é preciso que haja uma grande desenvoltura entre eles para que seja possível controlarem as suas energias e concentrarem-se.

Para os casamentos que caíram na cotidiano, o volúpia tântrico é como um milagre produzido dos Deuses. A desinibição do casal é completo, há uma maior co-participação e a caridade e corpo de cada um é purificada pelas energias que fluem no corpo, porém que o casal aprende a moderar.

Para além de uma ligamento entre o sexos, há acima de tudo uma forte actividade espiritual. O objectivo do Tantrismo é atingir essa lavatório e imobilidade espiritual por meio do acto sexual, frouxo, paulatino, porém completamente controlado.

No Tantrismo não há relações sexuais rápidas! Tudo é frouxo e implica a princípio concentração, técnica de respiração e relaxamento. Crie você e o seu camarada um lugar para o volúpia tântrico, com velas, som local. Deixe estar a desacreditar incenso, tome um banho cheiroso antes, e opte por travesseiros e um colchão agasalhado.

Tome uma alimentação rápido, com afrodisíacos, usem óleos aromáticos, e excluam posições nas quais a mulher se possa extenuar. Um sugestão: consulte pormenorizadamente o Grande Livro do Tantra!

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License